top of page

Vem aí o imposto sindical “turbinado” do governo Lula

Atualizado: 11 de set. de 2023

Proposta petista é de retomar o imposto, que seria 3,5 vezes maior do que o cobrado antes de 2017

O governo Lula tem fome de arrecadação e o trabalhador brasileiro poderá não ter opção a não ser ceder mais uma fração de seus ganhos mensais, caso a nova proposta endossada pelo ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, seja aprovada pelo Congresso.


A novidade no campo da taxação é a previsão do retorno do imposto sindical, extinto na gestão do presidente interino Michel Temer (MDB) em 2017. Por sugestão da CUT (Central Única dos Trabalhadores) e de outras entidades sindicalistas, a contribuição obrigatória voltaria com poder ainda maior: cerca de 3 vezes e meia a mais do que era cobrado do brasileiro na era petista.


Em maio, o ministro Luiz Marinho já alertava para a possibilidade de retorno do imposto. Ele comentou sobre “fortalecer os sindicatos”, após os anos de Temer e Bolsonaro.


“Não é aumentar o poder financeiro, é retomar. Os sindicatos foram praticamente destruídos nas eras Temer e Bolsonaro. Foram muito perseguidos”, comentou o petista.


A expectativa governista é de levar a matéria para votação na Câmara dos Deputados até o final de setembro. Se aprovada, ela deve morder 1% do que um funcionário ganha durante um ano de esforço. Em 2017, o imposto sindical correspondia a somente um dia de trabalho.


Segundo levantamento do Departamento Intersindical de Estatística (Dieese), desde que o imposto foi extinto há 6 anos, o orçamento sindical caiu de R$ 3,6 bilhões para apenas R$ 68 milhões em 2023.

Comments


bottom of page