top of page

“Reforma administrativa” já causa racha no governo Lula

Enquanto Haddad mira nos concursos, ministra da Gestão tenta proteger os servidores públicos

Haddad e Dweck: divergências na reforma - Agência Brasil/EBC


O governo Lula decidiu começar as reformas pelo caminho inverso. Justificando “caráter de urgência”, a Câmara dos Deputados se apressou para votar e aprovar a PEC 49/2019, que prevê uma série de “maldades” contra a cadeia produtiva, em especial, o setor de serviços.


Enquanto o texto tramita no Senado Federal, entretanto, já se fala em colocar em prática a reforma administrativa - a que o próprio Rumo Econômico já citou como de real urgência, mas que deveria ter antecedido à tributária.


A intenção de reorganizar a estrutura do inchado estado brasileiro, entretanto, não deve chegar nem perto do necessário. Com aumentos constantes de cargos no setor público, além de 38 ministérios, o governo federal já antecipou que a reforma administrativa não promoverá mudanças significativas.


PT x PT


Sem ao menos começar a tramitar no legislativo, o texto da proposta de reforma no setor administrativo federal aparenta ser, na verdade, uma ducha de água fria nos pagadores de impostos. Isso porque o secretário executivo do Ministério da Fazenda, Dario Durigan, adiantou que a reforma não prevê corte de custos, mas “melhoria dos serviços”.


"A reforma administrativa é importante, mas seu primeiro objetivo é o de melhorar a eficiência dos serviços ao cidadão”, anunciou Durigan.


A expectativa de mudança também antecipou um debate dentro do próprio governo petista. Enquanto o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, quer revisar as contratações por concurso público, a ministra da Gestão, Inovação e Serviços Públicos, Esther Dweck, só pensa em proteger os servidores.


Haddad afirmou que os “concursos são mal feitos e realizados de forma enviezada”.


Já Esther Dweck afirmou que a reforma administrativa só “pensa em punir o funcionalismo”.


“O projeto que está no Congresso sugere uma perda de estabilidade, com um foco muito grande em punir os servidores”, reclamou.


Commenti


bottom of page