top of page

Polícia Federal volta a atuar contra aliados de Jair Bolsonaro

Ex-presidente Jair Bolsonaro também é acusado de "sabotar" as eleições e deverá entregar passaporte à PF


Assessoria Jair Bolsonaro


A Polícia Federal voltou a atuar na manhã desta quinta-feira (9) contra  aliados de Jair Bolsonaro (PL). O ex-presidente também deverá entregar seu passaporte às autoridades.


Por ordem do ministro Alexandre de Moraes, a Operação Tempus Veritatis realiza busca e apreensão, além de 4 mandados de prisão preventiva, em 9 estados e no Distrito Federal: Paraná, Goiás, Amazonas, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Ceará e Espírito Santo,  A alegação da operação seria atuar para a “abolição do estado democrático de direito”.


Segundo a PF, os alvos principais são o general Augusto Heleno (ex-GSI), general Walter Braga Netto (ex-candidato a vice em 2022), Anderson Torres (ex-ministro da Justiça) e o presidente do PL, Valdemar Costa Neto. Já Marcelo Câmara (ex-ajudante de ordens) e Filipe Martins (ex-assessor internacional) estão na lista das prisões preventiva.


A justificativa apresentada pelo relator para executar as operações contra os investigados não é objetiva, e tenta conectar com os incidentes de 8 de Janeiro de 2023.


“O grupo investigado se dividiu em núcleos de atuação para disseminar a ocorrência de fraude nas eleições presidenciais de 2022, antes mesmo da realização do pleito, de modo a viabilizar e legitimar uma intervenção militar, em dinâmica de milícia digital”.

Ao todo, a PF cumpre 33 mandados de busca e apreensão, 4 mandados de prisão preventiva, além de 48 medidas cautelares inespecíficas.

Comments


bottom of page