top of page

Haddad tenta usar moeda chinesa para salvar a esquerda argentina

Atualizado: 11 de set. de 2023

Ministro da Fazenda aguarda proposta de Alberto Fernández para dispensar o dólar das exportações

Na cerimônia de posse de Dilma Rousseff como presidente do banco do Brics (New Development Bank) em Beijing, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) mandou um recado direto ao mundo: em seu terceiro mandato ele faria de tudo para promover o yuan chinês e diminuir as transações comerciais em dólar.


Quatro meses mais tarde, o governo Lula já dá sinais de que o discurso na China poderá se tornar realidade. Nesta quarta-feira (23), o ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), confirmou proposta enviada ao governo argentino para usar o yuan nas operações de importação-exportação. Segundo Haddad, o Banco do Brasil ficaria encarregado de fazer o câmbio das transações em reais.


O ministro da Fazenda - que acompanha a comitiva presidencial em Joanesburgo, na cúpula do Brics - não declarou de forma aberta, mas a atitude de trocar a moeda norte-americana pela moeda chinesa será mais uma tentativa de salvar o governo de Alberto Fernández e abrir possibilidades para o candidato kirchnerista, Sergio Massa, se manter com chances nas eleições presidenciais de 2024.


“A Argentina, que tem pouquíssimas reservas em dólar, faria os pagamentos em yuan chinês, que seria convertido pelo Banco do Brasil, em Londres”, explicou Haddad, destacando que a operação poderia gerar até US$ 140 milhões.


A análise de Haddad soa como a perfeita resposta para o questionamento feito por Lula na posse de Dilma, em pleno território chinês: “Por que que um banco como o Brics não pode ter uma moeda que pode financiar a relação comercial entre Brasil e China, entre Brasil e outros países do Brics?”.


Atualmente, a cotação da moeda norte-americana na Argentina é de US$ 1 por 349 pesos no câmbio oficial. A falência da economia gerida pelo presidente Alberto Fernández, entretanto, levou os comerciantes a dispensar o peso a favor do dólar. A volatilidade da moeda local levou à criação de inúmeras cotações diferentes. O dólar blue (câmbio paralelo mais usado no país vizinho) no momento está cotado muito acima do oficial. No pregão desta quarta-feira US$ 1 dólar blue era trocado por 730 pesos argentinos.

Comments


bottom of page