top of page

FMI alerta sobre escalada da violência na América Latina

Segundo o FMI, criminalidade tem impedido o desenvolvimento econômico dos países da região


Arrastão no RJ - Agência Brasil/EBC


Disparada de invasão de terras. Arrastões em massa no Rio de Janeiro. Caos no Rio Grande do Norte. Discurso contra o encarceramento de presos, Esta série de eventos ligados à segurança pública - e que marcaram os primeiros 12 meses do terceiro mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) - certamente não se encaixam entre os indicadores positivos para o futuro da economia brasileira. Ao menos, de acordo com a mais recente estimativa do Fundo Monetário Internacional (FMI).


Tomando como base um estudo publicado pela entidade na terça-feira (19), os altos índices de crimes e violência são os fatores que insistem em impedir o desenvolvimento econõmico das famílias em toda a América Latina.


Segundo apontou o FMI, a região atualmente é responsável por quase metade das vítimas de homicídios dolosos no mundo, mesmo não chegando à marca de 8% da população global.


De acordo com o relatório da ONU (Organização das Nações Unidas), a média de homicídios nos países latinos - incluindo o Brasil - é 10 vezes superior à de outras nações emergentes. Os números sobre a criminalidade, baseado no levantamento, chega a ser duas vezes maior do que no continente Africano.


Pela estimativa, a América Central - composta por ditaduras comandadas pelo nicaraguense Daniel Ortega, por exemplo - foi apontada como a sub-região mais violenta atualmente. Os índices de homicídio nessa região, que inclui os países caribenhos, subiram 4% nas últimas duas décadas.


Brasil registrou queda na criminalidade em 2022


Apesar da tendência atual ser negativa, o Brasil começou 2023 com uma boa notícia sobre o combate à criminalidade. Segundo o Anuário do Fórum Brasileiro da Segurança Pública, houve uma redução de 2,4% nos registros de crimes hediondos em 2022, último ano do governo Bolsonaro. Ao todo, foram computadas 47,5 mil mortes violentas no ano passado contra 48,4 mil em 2021.


Comments


bottom of page