top of page

CPI das ONGs: Relator promete indiciar presidente do ICMBio

Em sessão prevista para esta terça-feira (11), CPI irá revelar planos para atrasar o desenvolvimento da Amazônia


Senador Márcio Bittar - Senado Notícias


Após 30 reuniões e 28 depoimentos coletados pelos congressistas - entre eles, o da ministra do Meio Ambiente, Marina Silva - a comissão parlamentar de inquérito que apura supostas ações criminosas das ONGs na Amazônia promete votar, a partir das 11h desta terça-feira (12). o relatório conclusivo das investigações.


Antes mesmo da leitura do documento, prevista para amanhã, o Rumo Econômico adianta alguns pontos centrais que serão lidos pelo relator da matéria, o senador Márcio Bittar (União-AC). 


No documento que será apresentado aos membros do colegiado, Bittar concluiu que organizações de caráter não-governamental voltadas à preservação ambiental “instigam e patrocinam” procuradores e promotores para garantir a suspensão de obras na Região Norte, alegando “possíveis danos ao meio ambiente”.


O relatório de Bittar também acusa os órgãos ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) e o Ibama de procrastinar a concessão de licenças ambientais com o  objetivo de frear obras para o desenvolvimento da região que abriga os estados do Amazonas, Amapá, Acre, Pará, Roraima, Rondônia e Tocantins.


CPI mira presidente do ICMBio


Mauro PIres (ICMBio) - Agência Brasil/EBC


Ao definir os principais elementos a serem punidos, o senador Márcio Bittar solicitou o indiciamento do presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Mauro Oliveira Pires, alegando corrupção passiva e improbidade administrativa.


No relatório, Bittar justifica o pedido de indiciamento, alegando que Mauro Oliveira Pires prestou consultoria de licenciamento ambiental por meio da empresa Canumã, da qual era sócio, enquanto atuava como servidor público licenciado do ICMBio. 


Comments


bottom of page