top of page

Campos Neto fala sobre Real Digital e Tokenização

Presidente do Banco Central revela planos para novos processos tecnológicos

Em meio ao evento do Esfera Brasil, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, compartilhou com o público quais os planos da instituição para um futuro próximo das operações financeiras no país. Para ele, a grande aposta para os próximos anos é uma democratização do espaço financeiro nacional por meio de tecnologia e, para isso, serão necessários três passos principais.


O primeiro deles seria a construção de um trilho comum, uma ferramenta de fácil acesso e que não possua barreiras de entrada para a participação de todas as instituições financeiras na prestação do serviço. De acordo com Neto, este passo já foi colocado em prática por meio da criação e implementação do Pix: “Fizemos questão de fazer o Pix de uma forma programável, ao contrário, por exemplo, do que o da Índia. Porque se a gente fizer um Pix programável, podemos colocar smart contracts [contratos inteligentes] no Pix”.


O segundo passo trata sobre portabilidade e compatibilidade. Para Campos Neto o conceito de Open Finance corresponde justamente à construção de um serviço por meio e sobre o Pix, que forneça maior competitividade entre as instituições financeiras.


O grande fechamento do novo formato será realizado com o Real Digital e trata da completa digitalização dos serviços “Significa que eu quero que o dono da transação seja um contrato, e não uma pessoa”, declarou o presidente do Bacen. Em sua análise, o cenário ideal será estabelecido por contratos inteligentes que terão a capacidade de auto execução nas transações, ou seja, sem que exista a necessidade de um ser humano para definir as regras contratuais, as quais serão predefinidas e descritas digitalmente.


Essa tokenização tem sido estimulada pelo CBDC (moedas digitais emitidas por bancos centrais), ou seja, depósitos bancários que operam neste formato. Campos Neto afirma que essa é uma tecnologia extremamente vantajosa e que facilitará todas as operações “Vai baratear todo o processo de transação financeira e gerar eficiência”.


O presidente do BC enfatiza ainda que assim como o CBDC, que é um depósito digital que utiliza características pré-existentes e foge do engessamento de regulações, o plano é iniciar em breve um piloto de tokenização também com títulos públicos, “no fim, o que se vai ter é um instrumento no celular onde será possível navegar no sistema financeiro com portabilidade, digitabilidade, comparabilidade etc”.


A expectativa de Campos Neto é chegar a monetizar os dados coletados por meio das tecnologias que utilizam a Internet das Coisas (IoT), que emitem tokens sobre os dados e conversam com a moeda digital, “Se completarmos todas essas etapas. Existe a grande chance de sermos conhecidos como o sistema financeiro mais moderno no mundo”, concluiu.


FONTE/CRÉDITOS: Rumo Econômico com informações do Money Times

Comments


bottom of page